Todos sabemos que fumar é mau para nós. Já foi associado a todo o tipo de doenças, incluindo ao acidente vascular cerebral (AVC). Porém, por vezes, mesmo os factos mais duros e reais não são suficientes para nos fazer querer deixar o vício. Se estiver a considerar reduzir ou deixar de fumar, lembre-se destes pensamentos positivos para o ajudar a consegui-lo.

DICA #1 PENSE NOS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

As pessoas que fumam têm uma probabilidade três a quatro vezes maior de sofrer um AVC do que as que não fumam (1). Contudo, fumar está classificado como um dos dez fatores de risco modificáveis: uma pequena coisa que pode mudar na sua vida, como perder peso ou fazer exercício físico, que reduzirá o seu risco de AVC (2). Sempre que se sentir tentado a pegar no maço, pense no tempo extra que terá para disfrutar da sua vida com a sua família.

DICA #2 NÃO FALTA APOIO PARA O AJUDAR A DEIXAR DE FUMAR

Deixar de fumar é muito difícil, mas há muito apoio disponível se precisar. Para além de falar com o seu médico ou farmacêutico, que podem recomendar suplementos de nicotina, como pensos e pastilhas, a maioria dos países tem websites ou linhas de apoio nacionais para ajudar a deixar de fumar onde pode obter mais ajuda e aconselhamento. Ter um companheiro que fuma também aumenta o risco de sofrer um AVC, por isso os benefícios de deixar de fumar são para toda a gente. (1) Peça aos seus familiares e amigos que o ajudem durante todo o processo.

DICA #3 GASTE O DINHEIRO QUE POUPARÁ CONSIGO

O custo do AVC na Europa é de cerca de 45 mil milhões de euros e, se toda a gente deixasse de fumar, estima-se que os nossos serviços de saúde pudessem potencialmente poupar até um quinto do dinheiro que gastam nos cuidados no AVC (1). Pense no dinheiro que também poderá poupar. Porque não começar a poupar o dinheiro que normalmente gastaria em cigarros para o gastar em algo especial para si no final de cada mês? Só tem a ganhar.

DICA #4 QUANTO MAIS TEMPO ESTIVER SEM FUMAR, MAIOR SERÁ A DIFERENÇA

Poderá não reparar logo numa grande diferença assim que deixa de fumar, mas o seu corpo reparará. Em oito horas, os seus níveis de oxigénio voltarão ao normal e os níveis de nicotina diminuirão em mais de metade. Três a nove meses depois, a sua função pulmonar melhora em 10% e, um ano depois, o seu risco de ataque cardíaco desce para metade. 15 anos mais tarde, o seu risco de sofrer um AVC é praticamente o mesmo de uma pessoa que nunca tenha fumado. Tudo ótimas razões para tentar deixar de fumar (4).

DICA #5 MESMO SÓ REDUZIR É BOM PARA SI

Há mais de 20 anos que os estudos mostram que o risco de AVC associado ao tabagismo é dependente da dose. Por outras palavras, quanto mais fumar, maior é o seu risco de AVC. De facto, um estudo destacou um aumento visível no risco entre quem fumava dez cigarros por dia e quem fumava vinte (1). Portanto, mesmo só reduzir pode ser altamente benéfico para a sua saúde.

Referências bibliográficas:

  1. Reena S. Shah, John W Cole. (2010). Smoking and stroke: the more you smoke the more you stroke. Expert Rev Cardiovasc Ther., 8 (7): 917-932. Doi: 10.1586/erc.10.56.
  2. Xianwei Zeng, Aijun Deng, Yi Ding. The INTERSTROKE study on risk factors for stroke. Doi: https://doi.org/10/1016/S0140-6736 (16) 32620-4
    https://www.stroke.org.uk/sites/default/files/the_burden_of_stroke_in_europe_-_challenges_for_policy_makers.pdf [Accessed August 2018]
  3. https://www.stroke.org.uk/sites/default/files/user_profile/smoking_and_the_risk_of_stroke.pdf
image_pdfimage_print